Sobre

 4D ENTRADAS NA CIDADE INVISÍVEL

É um projecto para os Jardins Efémeros (2014) concebido por João Seixas e Rui Matoso, e com a colaboração do fotógrafo João Henriques.

4D – ou quarta dimensão – procura entrar e explorar na produção urbana invisível, dos territórios e fluxos que normalmente se furtam à perceção mais corrente e consciente. De que forma? Recorrendo às imagens espectrais. Estas assinalam de que forma o ser humano se relaciona com os seus duplos e Janus, individuais e coletivos. No cinema, na fotografia, na literatura, proliferam propostas dessa aparente estranheza que pode coabitar com a mais prosaica familiaridade. As artes produzem e capturam imagens espectrais, fantasmas urbanos, os espíritos secretos dos lugares.  4D é um projeto de índole participativa, aberto aos cidadãos e visitantes de Viseu, com a finalidade de criar um arquivo de registos fotográficos e audiovisuais, uma exposição coletiva e uma instalação urbana. É também um processo: que promove a abertura de novos olhares e a descoberta da aparente “estranheza”, do imprevisível e do mistério da cidade. Que promove, portanto, o maior conhecimento – e reconhecimento – do que é a cidade.

 

João Seixas é geógrafo e economista. Trabalha, há cerca de vinte anos, em torno das cidades, das suas energias e paradoxos. Investigador no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, professor convidado em Barcelona e no Rio de Janeiro, com várias publicações nacionais e internacionais. Doutorado em Geografia Urbana na Universidade Autónoma de Barcelona e mestre em Urban and Regional Planning na London School of Economics and Political Science. Foi comissário da Carta Estratégica de Lisboa. Actualmente é consultor da Comissão Europeia – URBACT – DG Regio.

Rui Matoso é gestor e programador cultural. Professor na Universidade Lusófona/ECATI, na Licenciatura em Ciências da Comunicação e da Cultura/ramo de Gestão das Artes e da Cultura e no Mestrado em Programação e Gestão Cultural. É membro da European Expert Network on Culture (EENC). Co-criou e produziu o projecto Festival Intermedia – Realidades Invisíveis, e foi curador de diversas exposições. É doutorando em Ciências da Comunicação e mestre em Práticas Culturais para Municípios, tendo anteriormente realizado uma Pós-Graduação em Gestão Cultural. É formador certificado pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (CAP) e pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua. http://www.culturaviva.eu/

João Henriques é licenciado em Gestão pela Universidade de Évora. Completou em 2013 o Mestrado em Fotografia pelo Instituto Politécnico de Tomar.